quarta-feira, 30 de setembro de 2015


Traço preto impresso a laser e colorido com tinta de aguarela
tamanho A4
2015
ZMB

O desenho original foi realizado em 2014 
e apresenta um ângulo de visão diferente do apresentado
no seguinte trabalho em óleo sobre tela: 

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Yes. There is every indication that he believes him.
But... no evidence at all that he was concerned!

'
I started the crummy and headed off to the boat at the bottom of the hill, trying to get the memory straight. The whole conversation started coming back to me, clear as a bell; I still wasn't sure right then whether it had really happened or was just a dream, but, real or a dream, I could remember it damn near word for word.
It as from Willard Eggleston, the little gink who used to run the laundry. He was all keyed up and excited and so screwy-sounding I thought at first he was actually drunk. I was still about nine-tenths asleep and he was trying to tell me some story about him and the colored girl that used to work for him, and about their child - this was what made me think he was drunk -- about the child the two of them had had. I just listened for a while, polite, like I did with the other calls, but after he rambled on long enough I began to see he wasn't just calling to give me a hard time, that there was something else on his mind behind all of his rambling and roaming talk. I let him go on; pretty soon he drew a long breath and said, "That's the story, Mr. Stamper; just like it happened. Every bit the truth, I don't care what you think." I said, "All right, Willard, I'll go along with you, but --" "Every word of it the Lord's pure truth. I know, I personally know, so I don't care if you go along with me or not --" "All right, all right; but you had more on your mind when you called than telling me how proud you are to be able to sire yourself a pickaninny --" "A boy, Mr. Stamper, a son! and not just sire him; I was able to pay for his way in the world like a man should for his son --" "Okay, have it your way: a son, but --" "-- until you went and made it impossible for a fellow to make profit enough to pay for the overhead --" "I might hafta be showed just exactly how I did that, Willard, but for the sake of argument --" "You've all but bankrupted the whole town; do you need to be showed that?" "All I need is just for you to get on around to what you had on your mind when --" "I'm doing exactly that, Mr. Stamper --" ""-- because there's a lot of other anonymous callers these days waitin' their turn at me; I don't want to tie up the line too long with one when so many --" "I am not anonymous, Mr. Stamper; I want to be sure of that; this is Eggleston, Willard --" "Eggleston; all right, Willard, now just what is it you had to tell me -- other'n your secret loves -- at, ah, twelve-twenty-two in the morning?" "Just this, Mr. Stamper: I'm on my way this very moment to kill myself. Ah? No wise comment? This wasn't what you expected, I'll bet? Not from Willard Eggleston, I'll bet? But it's as true as I'm standing here. You'll see. No, don't try to stop me. And don't try to phone the police, because they couldn't reach the place before I do anyway, and if you phoned they would know I phoned you, wouldn't they? and that I phoned to tell you it was your fault that I was forced into --" "Forced? Willard, now listen --" "Yes, forced, Mr. Stamper. You see, I have a very large policy with double indemnity in case of violent death, naming as beneficiary my son. Of course, until he's twenty-one it will --" "Willard, those companies don't pay on suicide!" "That's why I can't have you telling anyone, Mr. Stamper. You see now? I am dying for my son. I've arranged everything to look like an accident. But if you were to --" "Willard, you know what I think?" "-- to tell anyone about this phone call then I would have died in vain, wouldn't that be true? And your guilt would then be doubled --" "I think that you been seeing too many of your own movies." "No, Mr. Stamper! You wait! I know you people think that I'm totally without courage, that I'm just 'that spineless Willard Eggleston.' But you'll see. Oh yes. And don't bother trying to stop me, my mind is made up." "I ain't trying to stop you from anything, Willard." "You'll see tomorrow; oh yes, you'll see what kind of spine --" "I ain't trying to stop anybody from anything, but you know, that looks to me like a pretty poor excuse for spine as far I'm concerned --" "It's no use trying to talk me out of it." "What I'd call a man with spine is a man able to pay for his kid by living for him, no matter how hard it comes --" "I'm sorry, sorry, but you're just wasting your breath." "-- not by dying for him. That's a lot of crap, Willard, dying for somebody." "Just whistling at the wind, Mr. Stamper." "That's the one thing that everybody in the world can do, ain't it, Willard? is die... living is the hassle." "No use, Mr. Stamper, not the slightest. I've made my decision." "Well, good luck, then, Willard..." "There's no way anyone can -- what" "I said 'Good luck'" "Good luck? Good luck? Then you don't believe I'm going to do it!" "Yeah... I think I do; I think I probably do. But I'm tired, and not thinking too sharp, and 'good luck' is about the best I can offer. " "The best you can offer? Good luck? To someone who --" "Christ almighty, Willard; you want me to read you a page of scripture or something? 'Good luck' seems as good as anything in your case, it's better than 'Have fun.' Or 'Bon voyage.' Or 'Sweet dreams.' Or just plain old 'Good-by.' Let's leave it like that, Willard: Good luck, and I'll toss in the good-by for good measure... okeydoke?" "But I havn't --" "I got to try to get some sleep, Willard. So, with all my heart, good luck --" "-- completely finished telling --" "-- and good-by."
"Stamper!" Willard hears the phone buzz in his ear. "Wait, please..." He stands, surrounded by his three dimly lit reflections, listening to that electric hum. This isn't the way he planned it; not at all. He wonders if he should call back, make the man understand! But he knows calling back won't do any good because the man obviously does believe his story, whether he understands completely or not. Yes. There is every indication that he believes him. But... no evidence at all that he was concerned; not even the slightest!
'

"Sometimes a great notion"
Ken Kesey
Methuen Paperbacks
Copyright 1963, 1964 by Ken Kesey

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Rebate da opinião: «Eram pobres, continuaram pobres.»

"
quiseram pintar o ajustamento como letal para os mais fracos, mas quem o pagou  foi a classe média. Este sinceramente vosso conduz um Opel Astra, não passa fins de semana em Formentera e viu retido 40% do seu rendimento.  Durante estes anos habituei-me a ver doentes que ficaram desempregados com mais de dois anos de subsídio de desemprego. Estes não fariam a revolução. Os miúdos foram para fora sem grandes queixumes. Sobraram os velhos e os pensionistas: a verdade é que nem de perto nem de longe o aperto  deles se comparou ao da classe média. Eram pobres, continuaram pobres.
"

É certo que os pobres não fazem a revolução mas não considero correcto que se possa dizer 'Eram pobres, continuaram pobres'.
Eu penso que se eram pobres, ficaram ainda mais pobres e outros que não eram pobres, se tornaram pobres. Basta reparar que o limiar da pobreza é de 420€. Muitos velhos e pensionistas e desempregados, pobres e miseráveis não ganham 420 euros por mês. Aliás, num outro blogue há tempos li uma máxima dizendo que a diferença entre um pobre e um miserável é um pobre ainda ter dinheiro. E não é o mesmo cortar 300 euros de rendimento em contribuições e impostos extraordinários a um agregado familiar de classe média e cortar o rendimento mínimo em igual valor a um casal de pobres.
Podia dar o meu exemplo: trabalhava pelo salário mínimo, tive um ano de subsídio de 420 euros, depois seis meses de subsídio social de 300 euros, depois pedi o RSI durante um ano no valor de 178 euros, e durante todo este tempo tive de pagar uma renda para um quarto no valor de 150 euros. Podia dizer que em 2012 cozinhava três refeições em casa para mim e hoje só cozinho o jantar, o pequeno almoço foi eliminado e o almoço é no refeitório social da ordem dos fransciscanos, pelo qual não pago nada. Portanto, eu pelo menos fiquei mais pobre, e para não ficar miserável reformei-me por invalidez. Devido à minha condição psiquiátrica e também aproveitando o facto de já no passado os meus médicos me terem aconselhado a reformar, reformei-me com 260 euros mensais. Podia dizer também que, se as reformas antecipadas não estivessem congeladas, eu poderia reformar-me com um valor superior de pensão, dado que cheguei a fazer descontos como classe média num período da minha vida profissional. Portanto e deste ponto de vista, eu tive um corte definitivo e não extraordinário na minha pensão, além de ser mais difícil, agora, eu obter autorização futura se quiser voltar ao activo.
Sou apenas pobre e não miserável. Obrigaram-me a amansar. Aceitei a minha condição e, por isso, já nem me considero muito em risco. Vivo como o governo actual disse que tinhamos de viver, vivo dentro das minhas possibilidades. Quando os meus pais morrerem, será pior.
Mas vamos falar de miseráveis:
que dizer da família (pai, mãe e dois rapazes adolescentes) que almoçam comigo todos os dias na caridade?,
que dizer do casal que vive num quarto sem cozinha e que perdeu o RSI e ela agora está à porta da igreja a pedir e ele a arrumar carros?,
que dizer de um colega quase na idade da reforma que paga 160 euros de quarto e quase ia perdendo o RSI quando esteve a ponto de cair numa máfia que lhe prometia mil euros nas vindimas em Espanha?

Como imagina, doutor, que estas pessoas vivem? Ou, se não estão nas estatísticas, então estes cidadãos não existem?
Elas certamente não têm dinheiro para pagar um psicólogo ou psicoterapeuta, nem o estado comparticipa consultas privadas de acompanhamento psicológico... e portanto poderá, penso eu, não conhecer este submundo com rigor.
Quando muito têm uma assistente social que está sempre a perguntar se fez algum biscate no último mês ou se a família ajudou com trinta euros para a botija de gás. Para que, seguindo as directivas de cortes do ministério, poder cortar o rendimento porque as regras são: quem recebe os 178 euros do RSI não pode ter mais rendimentos nem que seja ocasionais, senão deixa de ter direito à prestação social.
E perante tais regras, como pode a economia paralela não crescer?

sábado, 19 de setembro de 2015

Tasquinha Bar

'
Iríamos à tasquinha. Sentar-nos-íamos ao balcão. Que desejar?
– Faz favor?, pergunta o empregado. Tem bigode. 
– Duas taças de vinho verde.
– Sabes um grupo que gostaria de ter?, pergunta Mário, virando-se para Maria púrpura.
– Não sei. Maria diz estas palavras, fumando um cigarro colocado no canto da boca, franzindo os olhos. Tenta demonstrar falta de interesse na conversa.
Ele continua: – Vaya Con Dios.
Mário aquece as mãos, olha para o balcão. À sua frente existe um maço do mais barato tabaco de enrolar. Maria ri-se. Fuma Lucky Strikes. Uma ligeira diferença de posses. Não existem pessoas perfeitas.
– A sério? Não acredito, Vaya Con Dios é fixe.
Meneia levemente o queixo. Apaga o cigarro no cinzeiro verde Heineken que está pousado no balcão, que pertence a Mário, que colecciona cinzeiros. Este desde sempre.
– Sim, Vaya Con Dios é fixe. Costuma passar aqui na tasquinha.
– Ah sim?, pergunta Mário.
– Posso pedir para passar. Eles, às vezes, atendem pedidos.
Maria sorri. – Tive aqui com os alemães no verão passado.
– Maria, fala-me do Hopper.
Ela diz, desviando o assunto: – Já reparaste numa coisa, Mário?, aqui as pessoas são todas naturais, a começar pelo empregado.
Ele olha à sua volta e pensa: «Quantas vezes já eu vi isto…»
– Sim… polvo a oitocentos paus, segundo São Bruno!
Então, a grande Maria diz: – Ah, apetece-me ir dançar. Não te apetece ir dançar?
Ele olha para ela. Bebe um pouco de vinho verde. Fuma um cigarro. Sorri de um modo estranho, remotamente parecido com o olhar do Travolta mas com um ar melancólico de felicidade.
– Sim, podemos ir dançar. Queres ir à Iz?
– Não!, diz Maria mudando repentinamente de ideias. – Tenho de me levantar cedo amanhã. Tenho uma reunião. Tenho que ir.
Nesse instante, um flash batuca na cabeça de Mário. «Tenho que ir, tenho que ir…» multiplicado até ao infinito. «Sim, em Setembro tenho que ir para Barcelona, tenho que acabar o curso em Setembro. Imagino lá uma vida, um amor. Como nas asas do desejo. Cassiel desce a rua cantarolando, numa bicicleta antiga, uma qualquer canção medieval. Passa numa ponte. A cidade podia ser Amsterdão. Ela, Sovereign, está num trapézio majestático, num pátio interior, numa arquitectura urbana de classe média em mil novecentos e oitenta e nove.»
Mário agita-se, fica sem fôlego e tenta não o demonstrar. Opta por um olhar aborrecido. Ela não quer ir dançar «mas sabe o que ela quer, está a fazer-se de difícil.»
«Mas Maria, eu, o Mário, não te quero mostrar nenhum quadro. Apenas te quero beijar, tocar, abraçar mas dizes que não dá!» Sente-se revoltado, nunca gostou destes joguinhos, nunca soube jogar confiante na vitória, nunca se viu como um líder oferecendo segurança, estabilidade. Acaba por se resignar: – Não, pronto!
Enquanto ele grita, Maria olha o empregado. Ele tem bigode, tem um olhar moreno, atraente, cabeleira encaracolada. Um homem viril. Camisola branca. Trinta e oito anos. Mário tem cíumes.
Ela pergunta: – Tem Vaya Con Dios?
Gil coça a cabeça e tenta sorrir.
– Sim, mas está aqui ao lado numa festa particular no Dolphins.
Mário ouve estas palavras e ri-se para Maria:
– Bem, parece que vamos ter que ir ao Dolphins!
O empregado olha para eles e desculpa-se abanando as mãos, o bigode, o sorriso nos lábios.
Maria diz-lhe com ar sério: – Pronto, obrigado. Não insista. Não tem importância. Mude de assunto.
Mas Gil, ao sair para atender outros clientes, fica a pensar no caso: «Eles, os dois, eles estão ali, costumam cá vir regularmente, são um casal simpático, sempre calmos, cheios um do outro, sorridentes, fumando, bebendo vinho verde, com tudo… contando a vida um ao outro…»
Diz um cliente: – Olha Gil!, ponha aqui um fino a este moço, se faz favor, e um para mim também.
O moço, de quem se fala, tem olhos azuis, cabelo preto com gel, um brinco na orelha, camisola preta.
– Sim, claro.
Gil dirige-se para a torneira mas o moço, com um abanar de olhos, recusa.
– Beba um fino, eu pago!, diz-lhe aquele homem, quarenta e oito anos, pescador de expressão descosida nas mangas, castanho, da cor das algas secas, barba cinzenta de quatro dias, um olhar triste tentando a alegria duma conversa. O moço recusa novamente com delicadeza. A seu lado, o «perfeito homem», que gosta de ver futebol em casa, ri-se. O pescador diz ao empregado: – Ponha um fino a esse senhor!
O «perfeito homem», vermelho do tinto, bigode e cabelos no peito, careca, os reflexos nas três franjas da testa, ele continua entre sorrisos: – Você deve estar a ver se arranja complicações.
O pescador protesta: – Não!, de qualquer modo os homens não se querem bonitos e perfeitos. Vira-se para o moço: – Bebe um fino. Sorri com olhar terno, franze os olhos. – Ponha um fino na frente deste senhor.
– Não, não faça isso. Estou de saída. Quanto é? Paga a conta e sai recordando: «A minha primeira experiência homossexual aconteceu aos dezasseis anos numa aula de físico-química…»
Gil vai à cozinha e volta cinco minutos depois. Para definir tudo isto, Mário fica a pensar que o pescador captou o título do álbum dos GNR e encontra uma frase «Triste a solidão de não haver ninguém.» 
Depois aliena-se: «Vejo uma enorme cratera. Associa-a a um circo. Num ponto elevado existe uma corda. Um funâmbulo jovem executa o seu número. Está ferido no pé esquerdo. Quem poderia ser ele? Não digas, Maria. O funâmbulo olha a corda, está ainda no início da caminhada, olha a assistência da qual não gosta, ao fundo da corda a sua sereia. A corda não segue um curso linear. Um enorme círculo, tímido, fechado sobre si mesmo. Depois do círculo, uma balança simboliza o equilíbrio da corda. Para cima, subir sempre. Um destino, sempre. Um fim pelos seus próprios meios. A sorte protege os audazes. Não quer balançar. Mas a corda é fina e ele está ferido num pé. Distingue mal a realidade da existência de um círculo que significa um longo percurso, um longo desvio, se cair será aplaudido de pé…»
– Mário, porque não vamos a tua casa? Gostava de ir, era fixe.
«Mas com que vontade diz ela isto. Com que intenção? Prometêramos não nos ver mais. Foi o que quis fazer para o nosso próprio bem, Maria.» Tantas coisas dentro da sua cabeça. Ouve-se, finalmente, Vaya Con Dios. Parece que o desejo musical foi atendido. A seu lado, a mulher da sua vida. «Claudio, a personagem de Vergílio Ferreira teve também a sua Oriana da Luz. Mas…»
– Não, levo-te a casa. Tomamos um café amanhã à tarde.
– Sim, é verdade. Pedimos mais duas taças?
– Sim.
Gil faz um zapping pela televisão. Encontra as notícias de última hora. Baixa a música.
«– A palavra Zaire já não existe no mapa!, diz o rebelde Kabila. – Viva a República Democrática do Congo!»
«– Um verdadeiro atestado de qualidade!, repetem os ilustres especialistas estrangeiros, convidados para assistir à inauguração de um novo museu em Portugal. O ministro da cultura não está presente.»
Os clientes da tasquinha exultam. Maria diz: – Moçambique ali tão perto…
Octávio diria se estivesse por perto: – Merda de socialistas! Está comprovado. Um ministro socialista nunca viria assistir à inauguração de um novo museu!
Mário diz profético: – Um dia, um governo de direita eliminará o próprio ministério da cultura. Os diamantes ali tão perto… vendidos aos chineses! Adeus amor…
Maria sussurra-lhe ao ouvido até que ele perde a consciência: – The diamonds are forever… 


[Telenovela mexicana rodada em 1997 e actualizada em 2015]
Claudio Mur

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

sábado, 12 de setembro de 2015

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Pub eleitoral

Eu estava para não ir votar nestas eleições
aliás como a maioria dos portugueses
mas não quero que as coisas continuem como estão
quero fazer algo sentir-me útil
e em consciência talvez vote
para que a Mariana Mortágua seja eleita.

O meu porquê explica-se, entre tantos outros, neste artigo:

http://www.jn.pt/opiniao/default.aspx?content_id=4766581

... e o senhor desvairou-se da cabeça porque,
pelos vistos, já tinha predisposição para isso.

'
O episódio do gato que pretendeu pagar o bilhete à cobradora do eléctrico divertiu sobremaneira o visitante, que, sufocado de riso silencioso, olhava para Ivan quando, entusiasmado com o êxito da sua narração, este saltitava de cócoras a imitar o gato com a moeda de dez copeques junto ao bigode.
-- E depois -- concluiu Ivan com tristeza e melancolia após ter contado o incidente na Griboiédov -- vim para aqui.
O visitante pousou uma mão compassiva no ombro do pobre poeta e falou assim:
-- Desgraçado poeta! Mas a culpa é toda sua, meu amigo. Não devia ter-se comportado com ele dessa maneira, com tanta sem-cerimónia e mesmo atrevimento. Pagou o preço. E ainda devia estar grato por ser um preço relativamente baixo.
-- Mas quem é esse «ele», afinal? -- perguntou Ivan, brandindo os punhos com excitação.
O visitante perscrutou Ivan com os olhos e respondeu com uma pergunta:
-- Mas não se vai perturbar, angustiar? É que aqui somos todos gente insegura... Não vai meter médico, injecções, essa confusão toda?
-- Não, não! -- exclamou Ivan. -- Diga-me quem é ele.
-- Está bem -- respondeu o visitante e pronunciou com gravidade e clareza: -- Ontem, no Patriárchie Prodi, o senhor encontrou-se com Satanás.
Ivan, tal como prometera, não entrou num estado de perturbação, mas que ficou muito aturdido, isso ficou.
-- Não é possível! Ele não existe!
-- Por amor de Deus! Se fosse outro qualquer a afirmá-lo... Mas não o senhor. Pelos vistos, foi uma das suas primeiras vítimas. Está enfiado aqui, como vê, numa clínica psiquiátrica, mas continua a insistir que ele não existe. Francamente!
Ivan, confuso, calou-se.
-- Logo no início da sua descrição -- continuou o visitante --, comecei a pressentir com quem teve o prazer de conversar ontem. E, com franqueza, admira-me a atitude de Berlioz! O senhor, evidentemente, é um indivíduo virginal -- e o visitante voltou a pedir desculpa --, mas esse Berlioz, pelo que ouvi dizer dele, pelo menos leu alguma coisa! Logo no início do discurso desse professor, todas as minhas dúvidas se dissiparam. É impossível não o reconhecer, meu amigo! De resto, o senhor... sem ofensa, é um ignorante, ou estou enganado?
-- Inegavelmente -- concordou o irreconhecível Ivan.
-- Pois é... porque até a fisionomia, que acabou de descrever... os olhos desiguais, o sobrolho! Desculpe, mas calculo que o senhor talvez nem tenha ouvido a ópera Fausto, pois não?
Ivan, por qualquer razão, ficou terrivelmente embaraçado e começou, com a cara a arder, a murmurar qualquer coisa sobre uma viagem ao sanatório em Ialta...
-- Pois é, pois é... não admira! Mas esse Berlioz, repito, surpreende-me... Era um homem não só de muitas leituras, mas também muito astuto. embora deva dizer em defesa dele que Woland pode, sem dúvida alguma, atirar poeira para os olhos de qualquer um.
-- Como?! -- gritou desta vez Ivan.
-- Mais baixo!
Ivan deu uma grande palmada na testa e disse, roufenho:
-- Sim, agora compreendo. Tinha a letra W no cartão-de-visita. Ai, ai, ai, que coisa esta! -- Durante algum tempo, atarantado, viu-se incapaz de falar, limitando-se a olhar para a Lua que navegava por trás da grade. Depois falou: -- Significa então que ele podia estar, de verdade, com Pôncio Pilatos? Pois podia, porque já tinha nascido! E ainda me chamam maluco! -- acrescentou Ivan, apontando com indignação para a porta.
Uma ruga amarga delineou-se na comissura dos lábios do visitante.
-- Vamos encarar a realidade de frente... -- E o visitante virou a cara na direcção do astro nocturno que corria através de uma nuvem. -- Tanto o senhor como eu somos ambos loucos, não adianta nada negá-lo! Veja bem: ele perturbou-o, e o senhor desvairou-se da cabeça porque, pelos vistos, já tinha predisposição para isso. Contudo, o que acabou de me contar aconteceu de facto, isso é incontestável. Mas é tudo tão extraordinário que o próprio Stravinski, um psiquiatra genial, não acreditou em si. Ele não o examinou? -- Ivan acenou que sim.
'

,página 157
"O Mestre e Margarita"
Mikhaíl Bulgákov
Tradução por Nina Guerra e Filipe Guerra
Edição Editorial Presença



quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Skeletal Famine


"Skeletal Famine"
lápis de grafite, caneta preta e tinta acrílica sobre papel
35,5cm por 25,4cm
2015
ZMB

Do mesmo caderno que contém o 'Kalashnikov Flute' 
apresento-vos este trabalho terminado há poucos dias.
Este foi começado em 2002, eu estava a ler um livro 
sobre a história e mitos da alquimia e tive uma imagem mental
muito vívida que resolvi ilustrar com um desenho 
-- rascunho para um futuro quadro em tela ---
o mito que estava a ler.
Não me recordo agora com exactidão e 
teria que passar uma semana a reler o livro para encontrar o pormenor,
mas pensemos nesta narrativa:
"No dia em que o sol e a lua se unir lado-a-lado no céu
e quando a um homem (Sísifo talvez) é-lhe eternamente devorado o fígado por um abutre
ou um doente é operado por um médico usando a máscara da peste,
aparecerá um herói ou alquimista ou Sísifo (ele-próprio) que
conseguirá quebrar a maldição do eterno retorno 
simbolizado pelo fígado
eternamente regenerado eternamente consumido.
A revolução em suma."

O título deste trabalho é retirado duma frase de Peter J. Carroll:
"Contrast cordon bleu gluttony and skeletal famine"

Adenda 13 de Setembro:
sempre confundi o mito de Sísifo com o de Prometeu
mas é a Prometeu que é comido o fígado:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Prometeu


terça-feira, 1 de setembro de 2015

Kalashnikov Flute


'Kalashnikov flute'
lápis de grafite, caneta preta e pastel de óleo sobre papel
25,4cm por 35,5cm
2013
ZMB

Este trabalho está num caderno comprado em 1998 na Irlanda.
Não sei recordar ao certo em que período comecei este desenho em particular.
Sei que em 2013 o terminei quando comecei a expôr na rua.