segunda-feira, 30 de maio de 2016

Uma cafeteira


Desenho a pastel seco
35cm por 25cm
2016
ZMB

Embora vistosa e com a ajuda da fraca qualidade da câmera fotográfica do telemóvel,
que dá profundidade e altera subtilmente a cor,
está cafeteira é um desenho espectacularmente falhado:
O pino da cafeteira devia estar ao centro do tampa.
É este o pormenor que eu, crítico, digo que correu mal,

domingo, 29 de maio de 2016

Peixinhos


Desenho a pastel seco sobre cartolina
dimensões inferiores a A4,
realizado numa aula no EspaçoT
e por observação de uma revista cultural.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

The Silent Channel on SomaFM Radio


https://somafm.com/silent/index.html

Music of all things industrial and ambient daze
or
as the DJ and musician Kim Cascone says:

The Silent Channel

Chilled ambient electronic music for calm inner atmospheres from Silent Records.

About the Music on The Silent Channel:

All the music is carefully hand picked from the catalog of Silent Records to help you achieve nirvana. Be Silent. Be Still. Look Within.

O pensador


'O pensador'
óleo sobre tela
40cm por 40cm
2000
ZMB


(fotografia de época)


quarta-feira, 25 de maio de 2016

Feeling Or-doomed and-Alone

Foram músicas como estas,
ouvidas por mim nos anos 90 quando estudava pensando num futuro materialista e numa cama cheia de dinheiro...
foram músicas como estas,
decadentes, dizendo verdades que nem sequer suspeitava,
verdades escondidas nos buracos de um muro de realidade institucional e consensual...
foram músicas como estas que me fizeram
não construir um muro à minha volta como protecção
mas explodir com o muro dentro do qual eu estava adormecido.
Não se muda de hábitos e filosofias de um dia para o outro,
o processo é tortuoso, muitas vezes o nosso inimigo somos nós e
não é certeza sairmos sãos e salvos.
É sempre mais fácil preferir o conforto.


--

lyrics by David Tibet
music by Current 93 
(1987)




Hear thou the things which must come to pass in the last times
There shall be famine and war and earthquakes in diverse places
Snow and ice and great drought shall there be
And many dissentions amongst people
Blasphemy inequity envy and villainy
Indolence pride and intemperance
So that every man shall speak that which pleaseth him
And the priests shall not have peace amongst themselves
Shall sacrifice unto making deceit for mind
Therefore will I not look upon them
Then shall the priests behold the people
Departing from the house of the Lord and
Turning unto the world and setting up
Landmarks in the house of God
They shall claim for themselves many things
And places that are lost and shall be
Subject unto Caesar as also they were
Of all times giving poll taxes of the cities
Even gold and silver
And the chief men of the city shall be condemned
And their substance brought into the treasuries of the kings
And they shall be killed
For there shall be great disturbance throughout all the people
And death also
The house of the Lord shall be desolate
And their altars shall be abhorred
So that spiders weave their webs there
The place of holiness too shall be corrupted
Priests all corrupted
Agony shall increase
Virtue shall be overcome
Joy perish
And gladness depart
In those days evil shall abound
There shall be respecters of persons
Hymns shall seize out of the house of the Lord
Truth shall be no more
Covetousness shall abound amongst the priests
And the bright man shall not be found
On some nation shall arise there the last time a king
A lover of the Lord
Who shall hold rule not or long
He shall leave two sons
The first is named after the first letter A
The second named after the eight letter H
The first shall die before the second
Thereafter shall rise two princes to oppress the nations
Under whose hands there shall be a very great famine
In the right hand part of the east
So that nation shall rise against nation
And be driven out from their own borders
Again another king shall rise
A crafty man
Who shall command a golden image of Caesar to be made
Therefore martyrdom shall abound
Then shall faith return unto the servants of the Lord
And holiness shall be multiplied
And agony increased
The mountains shall be comforted
And shall drop down sweepeth the fire from the face
Of the number of the saints maybe accomplished
After a little space there shall arise another king out of the east
A lover of the Lord
Who shall cause all good things and necessary to abound in the house of the Lord
He shall show mercy unto the widows and the needy
And command a royal gift to be given unto the priests
In his days shall be abundance of all things
And after that again another king shall arise in the southern part of the world
And shall hold rule but a little space
In whose days the treasuries shall fall because of the wages of the soldiers
So that the substance of all the age shall be commanded
And given to the king
Thereafter shall there be plenty of corn and wine and oil
But great dearness of money
So that the substance of gold and silver shall be given for corn
And there shall be great dearness
And at that time there shall be very great risings of the sea
So that no man shall tell news to any man
The kings of the earth and the princes and the captains shall be troubled
And no man shall speak freely
Grey hairs shall be seen upon boys
And the young shall not give place unto the aged
After that shall rise yet another king
A crafty man who will hold rule for a short space
In whose days there shall be all manner of evils
Even the death of the race of men from the east
Even unto Babylon
And thereafter death and famine and sword
In the land of Cain and even unto Rome
Then shall all the fountains of water and wells boil over
And be turned into blood into dust and blood
The heaven shall be moved
And the stars shall fall unto the earth
The sun shall be cut in half like the moon
And the moon shall not give her light
There shall be great signs and wonders in those days
When Antichrist draws near
These are the signs unto them that dwell in the earth
In those days the pains of great revile shall come upon them
In those days when Antichrist now draweth near
These are the signs
Woe unto them that dwell on the earth
In the last days a great king shall come
Woe unto them who build
For they shall not inhabit
Woe unto them that break up the follow for they shall labour without a cause
When I was a child in the belly of my mother! 
Woe unto them that make marriages for unto man each shall nay beget sons
Desolation! 
Woe unto them that join house to house
Or field to field
When I was a child in the palace of my father! 
For all fields shall be consumed with fire
Annihilation! 
Woe unto them that will not look unto themselves while titled
Silence! 
For they shall be condemned
Silence! 
Woe unto them that stay away from the poor
Silence! 
When he asked him
When I was a child in the belly of my mother! 
I am the son
When I was a child in the cannon of my father! 
I am father of all
I am the father most high
I am the father of all spirits
These are the sad signs of the ending of the world
When I was a child in the belly of my mother! 
When I was a child in the palace of my father! 
Desolation! 
There will be famine and great pestilence
Annihilation! 
Then shall all men be lead captive amongst all nations
Take me to my dead Christ! 
And shall fall by the edge of the sword
And shall fall by the edge of the sword
Take me to my dead Christ! 
Then all men shall be lead captive amongst all nations
Take me to my dead Christ! 
From shore to shore
Take me to my dead Christ! 
I am the son of mine
I am the father of all
I am the father most high
Carry me from shore to shore! 
All men shall be led captive
And all shall die by the edge of the sword
Take me to my dead chrism! 
For when I was a child in the belly of my mother! 
For when I was a child in the palace of my father! 
Desolation! 
All shall die by the edge of the sword
Silence! 
All shall die by the edge of the sword
Take me to my dead Christ! 
All shall fall by the edge of the sword
Take me to my dead Christ! 
All shall be reaped by the sickles
Take me to my dead Christ! 
Of the turning burning
Take me to my dead Christ! 
Take me from shore to shore! 
Turning and burning
Turning and turning
Take me to my dead Christ! 
Carry me from shore to shore!




Whilst I thought I was climbing
I found myself descending
Having lost my way let me go up
Having lost my way let me go down
I have no other work to do
It would have been better
No to be the mother
It is sorrowful
When a son goes away
Let alone
And when he dies
I watched quietly
When the grave was being dug
Knowing that he won't come back
And I shall not be here
For much longer
Even if I become
Like a king or like the wind
Never
Never will death
Stay away
But when he called me from above
Neither voice nor word to say yes
We just quietly say yes to him
It is a debt
Which must be paid
Here is your flesh
Take it from me
It seems to me
That you can't destroy it
Having spent the day with pain
Am I going to spend the night with pain?
This living to eat
Is so tiring for me
I am feeling cold inside
Let me go on seeking fire
Even death is better
Than this useless life
The mast of a ship
A nakedness
The leader of whores
Sheds the female breast
He tramples down
The vast furnace
Godlike and piercing
Binding and bitter
And cleaving asunder
Bones bound together
And paleness breaking
And rending
Abiding in a place
Tending into nothingness
Dampness tending onto corruption
Corruption
Corruption
Corruption
And merchants in trembling
Dragged down into horror
Terrible and whirling
The dust in the palm
Sublime circumcision
Solitude and desolation
A goatherd unto lost
All destruction
Grinding thin powder
Withering and fading
The reaping-hook of dullness
Earth thrown up
All flesh turn
The mountains are cast out
Lions trembling with fury
Thy braking in my barrenness
The destroyer of days
The silent lion
We know him fury
The death of flesh
He moves with a creeping motion
They destroy by the sky flame
Of their smoky breath
The painbringers
They shriek with a
Long
Drawn
Cry

terça-feira, 24 de maio de 2016

Lagoon View


Um recipente de vidro com areia, da autoria de
Faustin Adeniran.

As suas palavras:
'Lagoon view. I was hoping to achieve the expressionism painting with the sand to create an illusion of a painting'

sexta-feira, 20 de maio de 2016

terça-feira, 17 de maio de 2016

O capitão que não era capitão

'
Quando se deu a sua saída voluntária do alojamento na torre de controlo rádio na rua do visconde, o capitão Mancha estava a menos de uma semana de voltar a ter aconselhamento psiquiátrico. O seu historial clínico que refere uma doença crónica sugere, prescreve, chegou mesmo a exigir por via de ordem judicial, o aconselhamento psiquiátrico no sistema nacional de saúde. Cha há seis meses que não era observado. A razão é simples: estava sem psiquiatra porque deixara o anterior, não porque fosse um mau profissional no seu entender, mas porque as consultas se faziam num centro de saúde muito longe do seu local efectivo de residência. Cha tinha finalmente mudado a sua residência no cartão do cidadão e decidiu mudar também de centro de saúde. Agora, da rua do visconde ao centro de saúde eram cinco minutos de caminho. Assim, entre os trâmites formais de mudanças e registos, entre ter a primeira consulta com a nova médica de família e ela enviar um fax com carácter de urgência para o hospital de referência de modo a lhe ser atribuído um novo psiquiatra e novo ciclo de consultas, todo este processo demorou quase seis meses. Quando lhe chegou por correio, a comunicação do hospital a indicar-lhe a data da consulta, Cha nem sequer hesitou. Dado que estava tudo terminado com a Sanea, não tinha muito mais a fazer ali, podia mudar-se, ficava só para depois receber a carta dos serviços de segurança social referente ao rendimento mínimo, mas Cha pensou: «Recebê-la-ei na nova morada ou darei o número de telefone ao senhorio para ele me entregar as cartas que possam chegar ainda aqui.»
Cha mudou-se e foi à primeira consulta. Serviu para fazer um relato biográfico da sua história clínica, as datas dos internamentos, a medicação prescrita, a situação social e profissional. A nova médica mandou-o fazer exames ao sangue, estava preocupada com uma possível sífilis, tirou algumas notas, não muitas, marcou-lhe consulta para daí a dois meses, e Cha saiu da consulta com o espírito livre e desimpedido. Tinha sido a sua melhor opção, ter saído daquela casa. Lembrou-se do que disse à médica: «Se eu não saísse de lá, ainda acontecia alguma desgraça.»
Na segunda consulta, Cha apresentou os resultados dos exames, estava tudo bem, Cha continuou a responder a perguntas da médica. Cha fazia notar algum stress, aquilo que ela definiu como miséria existencial, o stress de não ter emprego, de ter poucas relações sociais, de ter uma família não muito próxima. De qualquer modo, a psiquiatra disse que Cha estava a fazer um bom trabalho ao controlar os sintomas da sua doença. 
Marcou-lhe nova consulta para Outubro, duas semanas após o choque social que Cha tivera. Cha precisava mais do que nunca de desabafar com alguém, precisava de verbalizar por palavras cordatas, e as mais explícitas que fosse possível, a sua angústia, a sua miséria existencial.
– Então senhor Mancha, o que tem para nos contar hoje?
– Oh, tem havido dias que não saio de casa, não me apetece ver ninguém… 
– E porque é isso?
– Porque quando vou ao café sinto que toda a gente está a falar de mim…
A psiquiatra começa a tomar notas, a escrever no computador. Pergunta:
– Já lhe tinha ocorrido antes ou é a primeira vez que lhe acontece?
– Já há muitos anos, no autocarro, mas aí as pessoas eram ofensivas, falavam alto, e eu respondia-lhes à letra, elas não percebiam.
– Já pensou que essas pessoas não estivessem a falar de si? Que fossem conversas cruzadas. Sabe que isso é um sintoma da sua psicose?
Cha sabia que sim mas ficou calado. Não lhe estava a contar o início da história e o porquê de ter naufragado socialmente. A psiquiatra continuou:
– A sua prescrição é reduzida. Que me diz a revermos a medicação?
Cha recusou dizendo que, para ele, os comprimidos eram placebos. Insistiu nos factos: – As pessoas, parece que, dizem: «olha chegou o palhaço do capitão…»
– Mas quem é o capitão? – perguntou ela. Cha levantando a mão esquerda, mostrou-lhe uma pulseira verde em pele onde estava gravada a palavra «capitão».
– O capitão sou eu, o capitão Mancha! – disse ele confiante.
– Não, senhor Mancha, o senhor não é capitão, o senhor é uma pessoa com estudos académicos, que está actualmente desempregada e em situação de necessidade, uma pessoa com problemas de saúde…
– Sim, eu sei, foi porque os ouvi chamar-me capitão que passei a chamar-me eu próprio capitão e mandei fazer esta pulseira para substituir aquela que me foi oferecida pela viscondessa quando tive a fazer de visconde…
– Nunca mais teve notícias dela?
– Mandou-me uma mensagem a dizer que me tinha amado e que agora tinha pena de mim e eu… quase que me vinguei e respondi que fosse ter pena do seu próprio irmão que é deficiente … quase que me vinguei porque me apeteceu dizer que ao funeral dela não iria ninguém.
De repente, ocorreu a Cha dizer que nunca foi compreendido e que os psiquiatras sempre o diagnosticaram pelo discurso incompreensível mas também pela agitação motora. – Pela minha verborreia, pelo modo como o meu corpo se move na cadeira, pelas minhas caras e pela raiva na minha garganta… – Aqui, começa a mexer os braços agitadamente e de modo propositado, como se tivesse a emular os processos motores nos seus anteriores internamentos. Isto faz lembrar um pouco um filme chamado 'Opium – diary of a madwoman'. Neste filme, a louca vira-se para o psiquiatra e pede-lhe para ele lhe remover o cérebro, para lhe dar a liberdade do esquecimento, como se não ter consciência, ou ficar sem ela por ordem superior, fosse um meio de se não mais preocupar com a miséria no mundo. Assim, Cha emulava os requisitos dos seus internamentos anteriores numa tentativa desesperada de ver se o seu caso era assim tão grave que precisasse de um novo internamento. 
A doutora achou que não, aconselhou-o a procurar novos cafés, novas companhias e novos meios de ocupar o tempo. Marcou-lhe nova consulta e disse para Cha pensar em aceitar da próxima vez uma mudança de medicação. Disse-lhe: – Dê uma oportunidade à medicina!
Cha saiu do hospital, enrolou um cigarro a caminho da paragem do metro e pensou: «Ela viu sintomas psicóticos numa situação que foi mal explicada, ainda assim, mesmo que eu quase o pedisse, não me internou, confiou em mim, vou dar uma oportunidade real aos comprimidos, não preciso de aumentar a dose prescrita na receita, basta tomar os comprimidos todos os dias, algo que não tenho feito, ela confiou em mim, vou confiar nela e depois, vai correr tudo bem.»
'

Claudio Mur

Decoração de um pacote e açúcar, parte 2


A minha segunda proposta para a decoração de um pacote de açúcar.
Uma parceria RAR - EspaçoT

sábado, 14 de maio de 2016

A canção assustada e o ofício de viver (de narrar a dor)
ou a hipocondria da úlcera nervosa, como me disse, uma vez, o médico de família



Meredith Monk
'The scared song'
from the record 'Do you be'

'
Observo que a dor embrutece, estupidifica, esmaga. Todos os tentáculos com que outrora sentia, tacteava e explorava o mundo, estão como que cortados e canceroso o coto. Passo o dia como alguém que bateu com o joelho numa esquna: o dia inteiro igual àquele instante intolerável. A dor está no peito, que me parece arrombado e ainda ávido, pulsante de um sangue que foge e não volta, como sucede quando ha uma enorme ferida.
'
, página 96


'
A dor não é, de forma alguma, um privilégio, um sinal de nobreza, uma recordação de Deus. A dor é uma coisa bestial e feroz, banal e gratuita, natural como o ar. É impalpável, evita toda a luta e a prisão; vive no tempo, é a mesma coisa que o tempo; se tem sobressaltos e gritos, é apenas para deixar mais indefeso ainda aquele que sofre durante os instantes que se vão seguir, durante os longos momentos em que se saboreia a tortura passada e se espera a seguinte. Estes sobressaltos não são a dor propriamente dita, são instantes de vitalidade inventados pelos nervos, para fazer sentir a duração da verdadeira dor, a duração cheia de tédio, exasperante, infinita do tempo-dor. Quem sofre está sempre em estado de expectativa -- expectativa do sobressalto e expectativa do novo sobressalto. Chega o momento em que se prefere a crise do uivo à sua expectativa. Chega o momento em que se grita sem necessidade, a fim de romper a corrente do tempo, de sentir que acontece qualquer coisa, que a duração eterna daquela dor bestial foi interrompida por um instante -- mesmo que seja para recrudescer outra vez.
Por vezes, vem-nos a suspeita de que a morte -- o inferno -- consistirá ainda no fluir de uma dor sem sobressaltos, sem vozes, sem instantes, totalmente feita de tempo e eternidade, incessante como o fluir do sangue num corpo que nunca há-de morreer.
'
, página 199


'
Narrar as coisas incríveis como se fossem reais -- sistema antigo; narrar as coisas reais como se fossem incríveis -- sistema moderno.
', página 264

Cesare Pavese
'Ofício de viver' diário 1935-1950
Edição Portugália Editora

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Soon in a blog at your window


brevemente
num blog
à tua janela,
by ZMB

My spam inbox mail

'
Hello. hope all is well, how's things?
I'm Elena ;) I'am very smashing girl and for now looking ineffect Man, Hope You want to date me, response me :) I can send You my photo!
have a good time)
'

Eu acho que deve haver um formulário online para este tipo de spam
Elas geralmente escrevem um nome próprio,
dizem muitas vezes a idade e que são da 'russian federation'
pôe um adjectivo sonante atrás da palavra 'girl'
outro adjectivo sonante entre 'looking' e 'man'
e depois ou dizem que nos enviam uma foto
ou apresentam um link com vírus.

Uma vez, dei conversa a uma
e depois de receber uma foto com mamas até ao chão
no email seguinte estava-me a dizer que
era, no momento, objecto de resgate na Nigéria
e 'não podias enviar 500 dólares please dear' 
?!


I love my spam!!

É como o Bukowski e as suas apostas nas corridas de cavalos,
um verdadeiro curso de escrita criativa.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Instalação efémera e site-specific


Sou um privilegiado.
Tenho a possibilidade de poder visitar Serralves quando as visitas grátis acabaram
até ao Domingo.
Uma manhã todos os meses, o que nem sempre acontece por alguma preguiça pessoal,
visito o museu integrado no grupo de utentes do C.H. S.João.
Às vezes, temos uma visita-guiada às exposições.
Ontem, o monitor deu-nos o desafio de fazer uma instalação efémera 
numa sala do Serviço Educativo,
Em cima, o meu trabalho.
Em baixo, alguns trabalhos dos meus colegas.





Decoração de um pacote de açúcar


Esta foi a minha proposta para o desenho decorativo
de um pacote de açúcar.
Nós, alunos, fomos motivados para participar nesta parceria 
entre o Espaço T e uma empresa de produção e distribuição de açúcar.


terça-feira, 10 de maio de 2016

Eu vi um raio X de uma gaja passando gás



Butthole Surfers
"I Saw An X-Ray Of A Girl Passing Gas"


Ten foot tall and the nurse stuck a needle in my arm
Well Uncle Doc's nurse use a needle with ungodly charm
Walkin' down the hall the dentist LOOMED through the door
I Saw an X-Ray of a girl passing gas
The one shot theory got a query things got rolling at last
Hey, HEY hey daddy, why die in the war
Jesus Hitler Buddha Santa Mary Klaus Barbie (Rice Bore?)
Well Death got arrested and the sky was the ocean that day
Words got twisted and history didn't know what to say
God dog sex death life and now I'm feeling old
These images were conjured up by talking on the telephone
I Saw an X-Ray of a girl passing gas
Oh my God it seems like just the other day
But it might have been one hundred years before
And I know there is no other way
We only have to wonder what it's for

sábado, 7 de maio de 2016

O não-residente

'
Cha fecha a porta do quarto, desce as escadas interiores, abre e fecha a porta da casa de hóspedes, desce os três andares de degraus de madeira carcomida e chega à porta da rua. Abre e sente o bafo do calor. Na rua principal, atravessa para o lado do rio, desce ao cais e recorda que os pescadores, que costumavam passar o tempo na pesca ocasional do robalo, desapareceram. Dá-lhe vontade de gritar contra a polícia marítima, também contra a autoridade municipal: «Afinal vão construir aqui, há planos para isso, um cais de embarque para grandes barcos-hotel, só se preocupam com o que podem ganhar de taxas, uma grande empresa paga mais taxas que um pescador,-- fora com os pescadores! -- é o que os palhaços pensam, e pior, executam, o que eles se estão perversamente a esquecer é que esta é terra de pescadores e não só, embarcadiços, engajados, casas de apoio, toda a gente depende do mar, estão a afastar as pessoas e a substituí-las por aquilo que elas chamam de estrangeiros e eu chamo de turistas, nem todos podemos pagar preços de turista, e porque haveremos de ser turistas na cidade onde nascemos!?»
Cha senta-se num dos poucos bancos de madeira e põe-se a observar o rio correndo para poente. «Até estes bancos vão desaparecer, vai chegar o dia em que eu queira ir tomar um café e aproveitar para ler no jornal as notícias do mundo… e não haverá um local acessível à minha carteira. Já não se pode fumar nos cafés, as esplanadas estão cheias e são caras, lá está… são para turistas. Mas eu não sou turista e começo a ficar sem opções, também não sou um residente, sou novo aqui, estou aqui faz três meses para a semana…» Cha enrola o último cigarro e continua a falar sozinho em pensamento: «A jukebox, hoje, deve estar insuportável, mas tenho de lá ir, hoje sem falta, tenho de dar a cara hoje, tenho que voltar ao local do crime, sei que, ao princípio, os residentes me achavam um capitão rico, não só o Sancho, a senhoria, a senhora do café que me indicou a casa… se calhar pensavam que eu lhes ia pagar uma taxa diária… só porque alguns passam, passaram fome, ainda há quem se lembre da Grande Fome… eles pensavam assim e vendo o modo como eu me comporto, como me pareço com um tolo quando falo, quando bebo café, quando começaram a ver que não vão mais obter favores de mim, porque eu sou igual a eles quando eles pensavam que eu lhes ia dar dinheiro a ganhar como um verdadeiro capitão faria… e como eles finalmente vêem que eu não passo de um merdas que tem tanta fome como eles… eles batem-me e ninguém defende um bêbado porque eu, na verdade, sou um bêbado que não é turista nem é capitão, é um gajo de fora, um não-residente, um merdas que vem comer as nossas mulheres!» 
Aqui, o capitão Mancha sorri, deita a beata fora, repara que estava a fazer literatura com a sua própria vida, o Sancho não lhe batera por causa das mulheres residentes, onde todos se conhecem e são família de todos. Não. Sancho batera-lhe tão somente porque quando voltara da casa-de-banho da jukebox, onde fora limpar o vomitado, o capitão estava-se a rir do sucedido e a perguntar: «Onde está o Sancho?» «Tu vomitaste sobre ele!», disse o Neca, e o capitão riu-se aliviado por ter vomitado, o seu estômago estava a borbulhar há minutos, nem sequer reparou em cima de quem vomitou e quando o soube riu-se, começara a não gostar da conversa daquele residente, incomodava-o que ele o quisesse extorquir. «Estás-te a rir ó otário não passas de um otário!», disse Sancho. Ora Cha, aliviado e alegre e talvez já lúcido e a demonstrar a sua verdadeira natureza, deu-lhe para ser insolente e desafiar o Sancho e dizer «Se queres bater bate!» e o Sancho bateu, deu-lhe uma bofetada com a mão fechada e foi-se embora em tronco nu e para evitar confusão. Cha encaixou o murro, olhou para o Sancho e concordou com um olhar firme que foi bem dado, como se aceitasse o castigo, levantou-se, ignorou o Neca e foi-se lavar. 
«Tenho de lá ir hoje, agora, mas tenho receio, estou com algum medo, e se ele vem pedir mais explicações, hoje não me sinto um herói trágico como ontem, hoje sinto-me um cobarde sem amigos, e a jukebox a esta hora há-de estar cheia de amigos dele… tenho de lá ir de qualquer modo, não posso vergar aqui, não posso dar parte de fraco, tenho de enfrentar a realidade.»
O capitão levanta-se e começa a caminhar ao longo do rio, a jukebox não é longe. Ao virar à esquerda, entra na rua da jukebox, começa a aproximar-se, como suspeitava estão mais pessoas cá fora a fumar do que habitual. Abranda o passo, procura reconhecer as caras, ver se conhece alguém, tenta manter um ar indiferente, como se nada se tivesse passado. Ainda assim, entra na jukebox procurando ver amigos ou o Sancho. A salvação ou o medo. Reconhece alguns residentes mas senta-se sozinho ao balcão.
-- Ora o que vai ser hoje caro amigo --, pergunta o dono com cara de caso.
Cha olha para ele, vê o seu olhar de preocupação e sorri pela primeira vez dentro da jukebox. Tenta permanecer indiferente ao silêncio que se instalou. -- Queria um pirata de cerveja… e mortalhas das pequenas, que tabaco tens?
-- É o que está à mostra…
-- Pode ser um Blue Ridge de cinquenta gramas…
O dono serve-o. Cha olha furtivamente em volta, repara que Sancho assomou à porta e, então, desfaz a sua indiferença e revela a sua ansiedade ao dizer: -- Quanto é? Pago já!
-- Está com pressa amigo, são cinco euros e trinta, mas tenha calma, esteja como em sua casa.
Cha beberrica o copo e tenta pensar noutras coisas mas está atento. «Ele sentou-se, está a falar com o Valter, o que está a dizer?… Não consigo ouvir. Olhou para mim. Está de certeza a falar de mim. É como se não compreendesse, como se não compreendesse o que estou a fazer aqui, não me parece que me vá fazer mal, parece com cara de caso, claro otário esqueceste!, está com a cara do teu caso de ontem, palhaço é o que eu sou, além disso tenho vergonha, não o culpo, ele bateu-me mas a culpa foi minha, foi uma situação impossível para ele, era impossível manter a honra sem me bater… mesmo perante um bêbado… mesmo que se não justifique bater num gajo que não está no seu perfeito juízo… é a lei da selva, da honra do mais forte… e eu que estou aqui a fazer, o olhar para o chão? Está tanto silêncio, vou pôr um disco, vou investir dois euros naquela compilação pirata de êxitos do Jimi!, é isso.»
Cha dirige-se à maquina histórica, selecciona o código do cd, introduz a moeda e volta para o seu lugar. Quando se senta, ouvem-se os primeiros acordes de Purple Haze. Tem uma ideia luminosa: «É isso, a meio do disco toca o Are you experienced, eu ouço a música e saio de fininho, mais meia-hora a esbracejar neste inferno e saio sem olhar para ele, tenho que passar por ele, tenho que fazer cara de mau, não posso sorrir como um palhaço quando quero desviar a atenção ou a concretização de um assunto, tenho de ser homem e não palhaço. Tenho de ter honra hoje e começar a vir aqui menos vezes, encontrar alternativas.»

Assim foi, saiu a sentir-se um herói mas cheio de medo e também vergonha, estes pensamentos duraram toda uma semana, tinha de falar a alguém disto, sentia-se sufocar sempre que se cruzava com o Sancho e baixava a cabeça para não lhe ver os olhos, chegou à conclusão que devia abordar o tema na consulta com a psiquiatra, Reflectiu o mais que pôde. Preparou um discurso, seria o seu terceiro discurso perante esta nova médica, seria o mais importante, um discurso em que se falhasse ele-próprio lhe pediria o seu próprio internamento.
As chuvas começaram, era início de Outubro, o Verão fora-se num instante.
'

Claudio Mur

quinta-feira, 5 de maio de 2016

I'm a lonely soldier

Well, não sei se tu és tu
mas admitindo que és e que me lês, tenho notícias.
Primeiro as más:
ao clicar o teu blog, aparece um ecrâ vermelho no chrome 
a dizer 'deceptive site ahead' e que impede a sua visualização no chrome,
provavalmente o blog foi pirateado, recomendo mudança de template.
Agora as boas notícias:
Requisitei as Linhas Aéreas Blundetto para, em meu nome, te oferecer
'mais beijos pela manhã, mais beijos pela noite'
na companhia das melhores pessoas e onde quer que estejas,
quem me dera ser eu a dar-tos :p



0:00 Intro with Don Camillo / Dennis brown - The look of love 0:47 Warm my soul – Blundetto with Courtney John 4:27 Love - Junior Delahaye 8:57 I’m the one to blame – John Holt 11:38 You just got to be in love – Boris Gardiner 14:17 Lonely soldier – Gregory Isaacs 17:00 The race – The Gladiators 19:49 Mongo walk – The in crowd 22:44 You’re not good – Ken Boothe 27:52 Won’t come easy- Seeny & The Wailers 30:08 Be thankful – Donovan Carless 33:01 Lucky man – Courtney John 36:06 We people- Nicky Thomas 38:57 When the lights are low – Joya Landis (blundedit) 40:53 Mr wind – Ken Boothe 43:01 Reform institue (version) – Gregory Isaacs 45:50 Adis abab – Wackies all stars 49:10 Rocky road – Blundetto dubplate with Don Camilo 52:32 Voices re-dub-a-dub – Blundetto with Hindi Zahra

quarta-feira, 4 de maio de 2016

It's about

Its about loving everything; your Pop, your kitty...All the things...the cat food, the little bits of crayon, the melted pieces, the loving friends..all the things you wish you had.



"Perry"


Hello perry
you think you're so fucking scary
well, I've got news for you

hello perry

hello perry
hello ??

this is the news for you, perry
and it's not so fucking scary
here it is:

it's talking about you
it's talking about growing up in england
it's talking about being the slave boy
it's talking about giving head when you're 6 years old
it's talking about doing these things
the coming apart of you
the coming apart of your faith
and meeting the popping cherry of the brain
and the part of passing it around to the other boys
and then once you know it…

hello perry
i think it's all too fucking scary
well, I've got news for you, perry
do you...hey!
i really care, perry
about your money
your mother died of cancer
Cancer, cancer, cancer, cancer, cancer, cancer, cancer, cancer, cancer

See, perry
i can be there ??

it's about coming of age 
it's about learning how to do it 
it's about learning how to experience things the way they ought to be experienced 
it's about growing up 
it's about licking the shit off the floor 
it's about doing the things that you ought to do 
it's about being a butthole surfer 
it's about doing promotional work 
it's about 
it's about PR 
it's about all these things 
it's about loving yourself 
it's about loving your mom 
it's about loving your dad 
it's about doing the things 
it's about going to the go-kart track 
it's about loving everything 
your pop, your kitty 
all the things 
the catfood, the little bits of crayons 
the melted pieces 
the loving friends 
all the things you wish you had

terça-feira, 3 de maio de 2016

Ai a Billie!



"Lover, Come Back To Me"


The sky was blue
And high above
The moon was new
And so was love
This eager heart of mine was singing
Lover where can you be

You came at last
Love had its day
That day is past
You've gone away
This aching heart of mine is singing
Lover come back to me

When I remember every little thing
You used to do
I'm so lonely
Every road I walked along
I walked along with you
No wonder I am lonely

The sky is blue
The night is cold
The moon is new
But love is old
And while I'm waiting here
This heart of mine is singing
Lover come back to me

When I remember every little thing
You used to do
Honey I get oh so lonely
Every road I walked along
I walked along with you
Ain't no wonder I am lonely

The sky is blue
The night is cold
The moon is new
But love is old
And while I'm waiting here
This heart of mine is singing
Lover come back
Lover come back
Lover come back to me
Lover come back
Lover come back
Lover come back to me
Lover come on back
Lover come on back
Lover come on back to me
Come on back to me girl
Come on back girl
Lover come back to me