domingo, 5 de novembro de 2017

Alcatrão e penas

'
E era a pura verdade.
-- Não falemos mais disso, meu jovem e excelente amigo. Tomemos juntos e cordialmente um copo deste sauterne.
Bebemos e o grupo seguiu o nosso exemplo. Eles tagarelavam, brincavam, riam e cometiam mil absurdos. As violas rangiam, o tambor multiplicava os seus rataplãs, os trombones mugiam como tantos touros de Phalaris, e todo o cenário, alterando-se cada vez mais à medida que os vinhos aumentavam o seu domínio, tornou-se, com a continuação, uma espécie de pandemónio in petto. Entretanto, o senhor Maillard e eu, com algumas garrafas de sauterne e de clos-vougeot entre nós dois, continuávamos a dialogar com toda a força. Uma palavra pronunciada no diapasão vulgar não tinha mais sorte de ser ouvida do que a voz de um peixe no fundo do Niagara.
-- Senhor -- gritei-lhe ao ouvido -- falava-me antes do jantar do perigo que apresentava o antigo «sistema da bondade». Qual é ele?
-- Sim -- respondeu-me -- havia algumas vezes um grande perigo. Não era possível dar conta dos caprichos dos doidos, e na minha opinião bem como na do doutor Goudron e na do professor Plume, nunca é prudente deixá-los passear livremente e sem vigilante. Um doido pode ser adouci, como se diz, por um tempo, mas é sempre capaz de actos de turbulência. Para mais, a astúcia é proverbial e verdadeiramente muito grande. Se quer executar um projecto, ele sabe escondê-lo com uma maravihosa hipocrisia; e a habilidade com a qual ele contrafaz a sanité oferece ao estudo dos filósofos um dos mais singulares problemas psíquicos. Quando um doido aparece tout a fait, estamos mesmo a tempo de lhe vestir a camisa de forças.
-- Mas o danger, meu caro senhor, o perigo de que me falava? Com a sua própria experiência, desde que a casa está sob a sua direcção, tem uma razão material, positiva, para considerar a liberdade como perigosa num caso de loucura?
-- Aqui? Depois da minha própria experiência? Certamente, posso responder: sim! Por exemplo, «não há muito tempo», um estranho acidente ocorreu nesta mesma casa. O «sistema da bondade», sabe, estava então na moda e os doentes andavam em liberdade. Eles comportavam-se notavelmente bem, a tal ponto que todas as pessoas de senso teriam podido tirar, do que se passava, a conclusão que se urdia entre estes rapazes qualquer plano demoníaco. E, com efeito, uma bela manhã, os guardas encontraram-se atados de pés e mãos, deitados nos calabouços, onde eram vigiados como doidos pelos próprios doidos, que haviam usurpado a função dos guardas.
-- Oh!, que me diz? Nunca na minha vida ouvi falar de um tal absurdo.
-- É um facto. Tudo isso aconteceu graças a um tolo animal, um doido, que tinha, não sei como, metido no cérebro que era inventor do melhor sistema de governo, de doidos, bem entendido. Ele desejava, suponho, fazer uma prova da sua invenção, e, assim, persuadiu os outros doentes a juntarem-se a ele numa conspiração para deitar abaixo o poder reinante.
-- E realmente conseguiram?
-- Perfeitamente. Os guardas e os guardados tiveram de trocar os respectivos lugares, com uma única diferença: os guardas foram imediatamente metidos nos calabouços... e tratados, confesso-o com desgosto, de uma maneira pouco gentil.
-- Mas presumo que teve de se efectuar prontamente uma contra-revolução. Os camponeses da vizinhança, os visitantes que vinham ver o estabelecimento deram, sem dúvida, o alarme.
-- Nisso é que está errado. O chefe dos rebeldes era demasiado astucioso para que isso pudesse acontecer. Ele não admitia daí em diante nenhuma visita, com excepção, uma só vez, de um jovem gentleman com uma fisionomia muito ingénua e que não podia inspirar-lhe nenhuma desconfiança. Permitiu-lhe visitar a casa, como para introduzir nela um pouco de variedade e para troçar dele. Assim que o deixou descansar suficientemente, deixou-o sair e enviou-o à vida dele.
-- E quanto tempo durou o reinado dos doidos?
-- Oh!, muitíssimo tempo, um mês, talvez mais; quanto, não saberei dizê-lo. No entanto, os doidos proporcionaram a eles próprios uma boa vida -- poderia jurar-lhe. Eles deitaram fora os fatos velhos e rasgados e usaram à sua vontade o guarda-roupa da família e as jóias. As caves do castelo estavam fornecidas de vinhos, e esses diabos dos doidos eram conhecedores e sabiam beber. Eles viveram à larga, posso afirmá-lo.
-- E o tratamento? Qual era a particularidade do tratamento que o chefe dos rebeldes pusera em prática?
-- Ah!, quanto a isso, um doido não é na verdade um idiota, como já lhe fiz notar, e a minha humilde opinião é de que o seu tratamento era bem melhor do que aquele por que foi substituído. Era um tratamento verdadeiramente simples, realmente delicioso, era...
Aqui as observações do meu hospedeiro foram bruscamente interrompidas por uma nova série de gritos, da mesma natureza dos que já nos tinham desorientado. Desta vez, no entanto, pareciam provir de pessoas que se aproximavam rapidamente.
-- Valha-me Deus! -- exclamei eu -- os doidos fugiram, sem dúvida alguma.
-- Receio bem que tenha razão -- respondeu o senhor Maillard, tornando-se muito pálido.
'

, páginas 194-196
''O sistema do Doutor Goudron e do Professor Plume''
por
E. A. Poe
em ''Histórias Extraordinárias'
Tradução revista por L. Nazaré'
Edição Ediclube 1990

Sem comentários:

Publicar um comentário